QUAL O NÍVEL DE MATURIDADE DAS EMPRESAS APÓS 2 ANOS DE LGPD?

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
  • QUAL O NÍVEL DE MATURIDADE DAS EMPRESAS APÓS 2 ANOS DE LGPD?
Inspirada na General Data Protection Regulation (GDPR), da União Europeia, a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei nº 13.709/18; LGPD) foi aprovada em setembro de 2020 levando empresas e consumidores a mudarem a forma de lidar com dados. Dois anos depois, cumprir a lei ainda é um desafio, sobretudo num cenário onde o cibercrime não tem limites e diariamente sistemas são atacados, levando ao vazamento, sequestro ou perda de informações (o Brasil é o sexto país com mais vazamento de dados no mundo).

Indicadores coletados pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) com 2.556 usuários de Internet e 1.473 empresas, entre o segundo semestre de 2021 e o primeiro semestre de 2022, apontam elevada preocupação com o destino dos dados pessoais, motivo pelo qual 77% dos entrevistados relataram ter desinstalado algum aplicativo de celular; 69% deixaram de visitar um website; e 56% dispensaram determinado serviço de Internet.

No entanto, as empresas brasileiras ainda têm dificuldades em cumprir a lei. Para se ter uma ideia, até o fim de junho passado a Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD, órgão fiscalizador ligado ao Governo Federal, contabilizava mais de 1,4 mil decisões judiciais com condenações que variam de R$ 100 a R$ 2, 5 milhões, além de outros 400 processos administrativos em andamento.

Cultura colaborativa
Segundo Paulo Poi, diretor de Compliance, Riscos e Governança da Cipher, empresa de cibersegurança do grupo Prosegur, a LGPD impactou na gestão das empresas e acelerou a conscientização das organizações em relação à proteção de dados. No entanto, ainda há debates sobre a área responsável pela segurança das informações digitais que, na opinião do especialista, depende do engajamento de profissionais de diferentes setores das companhias.

“Por se tratar de uma lei, a adequação caberia à área jurídica, mas, por envolver tecnologia, é importante o envolvimento da área de TI. E não podemos esquecer que a área de Recursos Humanos atua diretamente com os times, disseminando as melhores práticas para proteção de informações”, reflete. Poi ressalta que a integração entre essas áreas, formando equipes multidisciplinares e complementares, deve fazer parte da cultura corporativa, criando processos de trabalho colaborativos com base em concessões que atendam as realidades particulares de cada setor.

Um dos gargalos destacados pelo diretor da Cipher é o desenvolvimento de políticas internas que favoreçam o diálogo entre profissionais de áreas distintas. É preciso investir tempo para sensibilizar e engajar pessoas na formação de comitês, com processos bem definidos e sistematizados de acordo com as regras de negócio. Para Poi, o envolvimento da alta gestão é primordial para a execução de um programa de privacidade bem direcionado estendido a toda corporação como regra de compliance.

Fonte: Paulo Poi – Diretor da Cipher
Fonte: Contábeis

 

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

DIAS DE JOGOS DO BRASIL NÃO SÃO CONSIDERADOS FERIADOS

DIAS DE JOGOS DO BRASIL NÃO SÃO CONSIDERADOS FERIADOS A realização da Copa do Mundo acontece entre os dias 20 de novembro e 18 de dezembro. Segundo cronograma anunciado, na primeira fase a competição, a seleção brasileira jogará nos dias:

MEI CONTABILIZA COMO EMPREGO FORMAL? ENTENDA

MEI CONTABILIZA COMO EMPREGO FORMAL? ENTENDA Após virar pauta durante as eleições, voltou-se a discutir sobre a classificação do Microempreendedor Individual (MEI) como emprego formal. Durante a pandemia, com a alta do desemprego, o MEI foi uma alternativa para muitas

MEI: ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE NOME EMPRESARIAL E NOME FANTASIA

2 MEI: ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE NOME EMPRESARIAL E NOME FANTASIA Entender a diferença entre nome empresarial e nome fantasia é fundamental ao abrir um Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) . Apesar da nomenclatura ser parecida, os conceitos são diferentes.

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Back To Top