Qual é a real importância do Compliance dentro das empresas?

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

A inovação tem sido debatida no meio empresarial em diversas frentes, como uma grande oportunidade de transformar a realidade operacional das organizações.

Dito isso, é fundamental investir em novas tecnologias e métodos de trabalho que priorizem a inventividade, bem como a própria valorização dos profissionais.

Também é essencial garantir que tais métodos atuem em um ambiente interno eficiente e seguro.

Nesse sentido, a criação de um programa de Compliance abrangente é o ponto de partida ideal para que mudanças positivas sejam evidenciadas no dia a dia de trabalho, assim como a relação da empresa com seus clientes.

No entanto, vale ressaltar a importância de se reconhecer os principais pilares de uma movimentação como essa.

O gestor precisa se apoiar em uma visão ampla sobre como essas políticas de Compliance afetarão a companhia em sua totalidade, passando por setores distintos.

Não existe uma fórmula exata para mudar radicalmente um contexto corporativo pouco familiarizado com o tema, mas algumas medidas são decisivas e precisam pautar o planejamento dos que buscam abraçar a conformidade.

Dito isto, o apoio da alta diretoria é imprescindível para um Programa de Compliance efetivo.

Respeito à legislação: uma prioridade imediata

A resposta do campo jurídico à demanda por mais conformidade, transparência e segurança tem sido refletida em iniciativas importantes na legislação brasileira.

Certamente, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é um dos exemplos mais significativos, exigindo uma postura totalmente inovadora por parte do empresariado sobre o armazenamento e o uso dos dados coletados.

Não há como negar que a LGPD cumpre a função de um dos grandes gatilhos para que cada vez mais empresas deixem o lugar de fragilidade e segurança nos processos, dado o impacto de suas exigências e, especialmente, as sanções previstas pelo não cumprimento da nova lei.

No entanto, é preponderante que a organização vá além da obrigatoriedade do Compliance, enxergando suas contribuições e até mesmo seus ganhos produtivos.

Isso nos leva ao próximo tópico.

Os pilares de um programa de Compliance

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Afinal, o que constitui um programa de Compliance ideal? Evidentemente, é sempre necessário levar em consideração as características apresentadas por cada companhia, bem como a realidade de seu cotidiano operacional: escopo de negócio, modelo de trabalho, entre outros elementos.

O que podemos afirmar com clareza é que determinados itens são decisivos para qualquer caminho pavimentado rumo à conformidade.

Institucionalizar um código de conduta no âmbito interno, de modo que seja disseminado entre os colaboradores, refletindo valores éticos e morais incorruptíveis é o cerne primordial para que o Compliance seja enraizado na cultura da empresa.

Outra ação igualmente relevante é o mapeamento de riscos, ou seja, reunir uma quantidade de informações capazes de apontar para um diagnóstico do que está ou não em conformidade dentro da organização.

Em termos teóricos, todas essas mudanças parecem fáceis, desmistificando aquela ideia de que este é um assunto distante de grande parte do empresariado.

Porém, colocá-las em prática é uma missão que exige, no mínimo, o empenho de todos os envolvidos nas operações internas.

Um bom parâmetro pode ser simbolizado pelo suporte da alta administração que, por sua vez, deve fornecer todo o respaldo possível para que essas movimentações não sejam em vão.

Esses são alguns fatores que influenciam na aderência de um processo de transição extremamente profundo. Sem dúvidas, não são os únicos tópicos a serem mencionados, o que requer um estudo mais avançado e detalhado sobre a temática.

Treinamentos referentes à comunicação, auditorias, investigações, monitoramento, canais de denúncia, os pilares são numerosos e determinantes.

Mesmo assim, as providências trabalhadas nesse artigo são primárias e responsáveis por abrir as portas da empresa a uma nova era de estabilidade, segurança e transparência.

No fim, ao preservar a saúde financeira e fiscal de seu negócio, o gestor deixa claro que está preocupado com o Compliance nas atividades.

Com isso, os clientes, parceiros e colaboradores serão os maiores beneficiados e, por consequência, a própria empresa sairá ganhando.

Por: Harlen Cosmo, Analista de Compliance da eCOMEX-NSI, graduado em Direito e Pós-graduando em Compliance.

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

FGTS e PIS para MEI

FGTS e PIS para MEI O MEI não recebe FGTS, mas caso você tenha trabalhado como CLT e tenha um FGTS para receber, você pode retirá-lo desde que não tenha sido demitido por justa causa. Ou seja, ser MEI e

Regras de Recolhimento para o Simples Nacional

Regras de recolhimento para o Simples Nacional As empresas enquadradas no Simples Nacional, em regra geral, fazem suas contribuições ao INSS por meio da DAS (Documentação de Arrecadação do Simples Nacional). A alíquota de desconto para optantes do Simples Nacional

ALGUNS CUIDADOS NO “PROCESSO TRIBUTÁRIO”

ALGUNS CUIDADOS NO “PROCESSO TRIBUTÁRIO” Por Ricardo Menezes Cordeiro 1 Competência absoluta dos Juizados Especiais Fazendários É inegável que a agilidade e a ausência de custo que encontramos nos juizados especiais fazendários (JEFAZ) resultam no acesso ao Judiciário! Mas às

RECEITA FEDERAL ALTERA NORMA DA EFD-REINF

RECEITA FEDERAL ALTERA NORMA DA EFD-REINF DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Publicado em: 20/07/2022 | Edição: 136 | Seção: 1 | Página: 71 Órgão: Ministério da Economia/Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 2.096, DE 18 DE

CARTAS DE REFERÊNCIA E RECOMENDAÇÃO: O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO?

CARTAS DE REFERÊNCIA E RECOMENDAÇÃO: O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO? Por: Beatriz Barreto Meira Cartas de referência são importantes aliadas dos candidatos às vagas de empregos, funcionando de forma complementar ao currículo, comprovando experiência e habilidades interpessoais e, com isso,

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Back To Top