Aposentadoria por tempo de contribuição: como ficaram as regras após a reforma?

A20dbd1c 8eab 4d70 Beb3 F94a6ef2aa54 - Contabilidade na Lapa - SP | RM Assessoria

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O que é aposentadoria por tempo de contribuição?

Essa modalidade de aposentadoria acontecia quando o segurado realizava contribuições junto ao INSS por um determinado período (35 anos para homens e 30 anos para mulheres) e não era exigida uma idade mínima para ter acesso ao benefício. Porém a Reforma da Previdência alterou a regra, fazendo com que essa categoria de aposentadoria deixasse de existir e criando regras de transição.

Regras de Transição

Quando a aposentadoria por tempo de contribuição foi extinta, vários brasileiros que estavam perto de se aposentar foram prejudicados. Para amenizar essa situação, foram criadas as regras de transição.

Por pontos

Para poder se encaixar nessa regra o contribuinte precisa ter os seguintes requisitos:

  • 30 anos de tempo de contribuição, se mulher;
  • 35 anos de tempo de contribuição, se homem;
  • 86 pontos +1 ponto por ano, a partir de 2020 (até o limite de 100 pontos), se mulher;
  • 96 pontos +1 ponto por ano, a partir de 2020 (até o limite de 105 pontos), se homem.

Como é feito o cálculo para quem preencheu os requisitos após a reforma (13/11/2019)?

Para esse grupo de segurados, o cálculo é realizado da seguinte forma:

  • será feita a média de todos os seus salários desde julho de 1994;
  • dessa média, você receberá 60% + 2% ao ano, acima de 20 anos de contribuição para os homens ou +2% acima de 15 anos de contribuição para as mulheres.

Tempo de arrecadações + idade

Para poder assegurar a aposentadoria por essa regra é necessário cumprir os seguintes requisitos:

  • 56 anos de idade, se mulher;
  • 61 anos de idade, se homem;
  • 30 anos de tempo de contribuição, se mulher;
  • 35 anos de tempo de contribuição, se homem.

Vale ressaltar que, a partir de janeiro de 2020 são acrescentados 6 meses a cada ano na idade mínima, até chegar a 62 anos (mulher) e 65 anos (homem).

Como é realizado o cálculo?

Para esse grupo de trabalhadores, o cálculo é realizado da seguinte forma:

  • será feita a média de todos os seus salários desde julho de 1994;
  • dessa média, você receberá 60% + 2% ao ano, acima de 20 anos de contribuição para os homens ou +2% acima de 15 anos de contribuição para as mulheres.

Pedágio de 50%

Para garantir a aposentadoria nessa norma é necessário cumprir os seguintes critérios:

  • 28 anos de contribuição, se mulher;
  • 33 anos de contribuição, se homem.

Vale lembrar, que para entrar nessa regra é preciso cumprir um pedágio de 50% do período que faltava, para o tempo mínimo de arrecadação, na data da reforma. Exemplo: o contribuinte precisava de 2 anos para assegurar seu benefício, até que veio a Reforma da Previdência. Agora ele precisa cumprir  2 anos + 1 ano de pedágio (50% de pedágio de 2 anos equivale a 1 ano).

Pedágio de 100%

Para ter acesso ao benefício por essa regra é necessário se encaixar nos seguintes requisitos:

Homem

  • 60 anos de idade.
  • 35 anos de tempo de contribuição.

Mulher

  • 57 anos de idade.
  • 30 anos de tempo de contribuição.

É importante lembrar, que para entrar nessa norma é preciso cumprir um pedágio de 100% do período que faltava, para o tempo mínimo de arrecadação, na data da reforma.

Qual é a regra para o segurado que conseguiu todos os requisitos antes da reforma?

Esse grupo de pessoas entra na antiga regra da aposentadoria por tempo de contribuição, mesmo que não tenha realizado o requerimento antes da data da Reforma da Previdência (13/11/2019), esses trabalhadores têm o Direito Adquirido.

FONTE: JornalContabil

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

FGTS e PIS para MEI

FGTS e PIS para MEI O MEI não recebe FGTS, mas caso você tenha trabalhado como CLT e tenha um FGTS para receber, você pode retirá-lo desde que não tenha sido demitido por justa causa. Ou seja, ser MEI e

Regras de Recolhimento para o Simples Nacional

Regras de recolhimento para o Simples Nacional As empresas enquadradas no Simples Nacional, em regra geral, fazem suas contribuições ao INSS por meio da DAS (Documentação de Arrecadação do Simples Nacional). A alíquota de desconto para optantes do Simples Nacional

ALGUNS CUIDADOS NO “PROCESSO TRIBUTÁRIO”

ALGUNS CUIDADOS NO “PROCESSO TRIBUTÁRIO” Por Ricardo Menezes Cordeiro 1 Competência absoluta dos Juizados Especiais Fazendários É inegável que a agilidade e a ausência de custo que encontramos nos juizados especiais fazendários (JEFAZ) resultam no acesso ao Judiciário! Mas às

RECEITA FEDERAL ALTERA NORMA DA EFD-REINF

RECEITA FEDERAL ALTERA NORMA DA EFD-REINF DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Publicado em: 20/07/2022 | Edição: 136 | Seção: 1 | Página: 71 Órgão: Ministério da Economia/Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 2.096, DE 18 DE

CARTAS DE REFERÊNCIA E RECOMENDAÇÃO: O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO?

CARTAS DE REFERÊNCIA E RECOMENDAÇÃO: O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO? Por: Beatriz Barreto Meira Cartas de referência são importantes aliadas dos candidatos às vagas de empregos, funcionando de forma complementar ao currículo, comprovando experiência e habilidades interpessoais e, com isso,

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Back To Top