APÓS HOME OFFICE, EMPRESAS BUSCAM MAIOR ESPAÇO FÍSICO

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
APÓS HOME OFFICE, EMPRESAS BUSCAM MAIOR ESPAÇO FÍSICO
Com a redução de casos de covid-19 na esteira do avanço da vacinação, os escritórios de São Paulo estão voltando, aos poucos, a serem ocupados.

Há empresas que já viraram a chave e começaram a expandir seus espaços após dois anos repletos de dúvidas sobre a volta ao trabalho presencial. E, pela primeira vez desde que a pandemia foi decretada, em março de 2020, os números de ocupação de lajes corporativas na capital paulista começam a apresentar uma recuperação – ainda que tênue.

No primeiro trimestre deste ano, segundo a consultoria Buildings, houve uma melhora na taxa de vacância, que mostra a quantidade de edifícios corporativos desocupados. Em relação ao fim do ano passado, esse índice recuou de 21,3% para 21%.

Parece pouco, mas é um alento que o setor está celebrando. Essa visão positiva tem razão de ser: o total de espaços vagos caiu a despeito da entrega de novos prédios comerciais, o que pode apontar para novas recuperações ao longo de 2022.

Segundo o sócio-diretor da Buildings, Fernando Didziakas, a recuperação desse mercado poderá ocorrer de forma mais célere do que inicialmente previsto – e isso apesar de o trabalho híbrido ter chegado para ficar.

“Nos últimos dois anos pairou uma grande dúvida sobre o setor de lajes corporativas. Hoje vemos com olhar otimista esse movimento de retorno aos escritórios. Muitas empresas voltaram a aumentar seu espaço”, diz.

A gestora de investimentos Hedge é um exemplo dessa tendência do mercado imobiliário corporativo: a companhia alugou mais espaço para seu escritório tanto porque sua equipe cresceu, quanto também porque queria reduzir a aglomeração de funcionários.

EMPRESAS VOLTAM ATRÁS
Entre as empresas que reduziram drasticamente o tamanho de seu escritório no início da pandemia, mas que teve que alocar novos espaços, está a gigante dos investimentos XP.

Presidente da consultoria imobiliária Cushman & Wakefield no Brasil, Celina Antunes afirma que, neste momento, há dois movimentos que estão levando a um cenário mais favorável das lajes corporativas.

O primeiro tem relação, de fato, com o crescimento das empresas. O segundo está ligado ao aumento de área para comportar espaços mais relacionados ao lazer, como restaurantes e salas de jogos. É o caso da gestora Hedge Investimentos.

Segundo André Freitas, sócio da empresa, além do aumento da equipe, havia também a necessidade de reduzir a “densidade populacional” do escritório.

Outro ponto que contou a favor para a decisão de fazer a mudança para um prédio novo, de acordo com Freitas, foi a maior oferta de serviços do que no edifício anterior – algo que pode ajudar a atrair os funcionários para o trabalho presencial.

Na visão da executiva da Cushman & Wakefield, a busca por espaços que fujam do lugar-comum deixou de ser exclusividade das empresas de tecnologia.

De acordo com Celina, 2022 será o ano em que as empresas conseguirão ter mais visibilidade sobre o uso do seu escritório, com grande parte delas adotando o modelo híbrido. Como consequência, os espaços ainda serão pouco ocupados.

A partir de 2023, contudo, a tendência pode mudar, com as companhias, depois de investirem em seus espaços, tornando o retorno presencial compulsório, mesmo que não em todos os dias da semana.

EVOLUÇÃO
E há também os casos de empresas que simplesmente precisaram de mais espaço para abrigar uma equipe em crescimento. O diretor da empresa de software OM30, Amaury Carvalho, conta que sua empresa também teve de ampliar a área de seu escritório na Zona Norte de São Paulo, quando a equipe passou de 56 para 170 pessoas ao longo da pandemia.

“O espaço também foi remodelado, deixou de ser simplesmente um lugar para a mesa, para ser um local agradável de trabalho”, afirma Carvalho.

Hoje, toda a área administrativa trabalha todos os dias presencialmente, ao passo que a equipe de tecnologia segue em home office. Após ter forte expansão nos últimos dois anos, a Appsflyer, de análise de dados para aplicativos, precisou triplicar o tamanho do escritório para atender um aumento de pessoal de 60%.

“Agora vamos reformar o espaço para termos não só um espaço de trabalho, mas também de socialização”, diz Silmara Kuster, especialista em pessoas da companhia.

A empresa já iniciou seu retorno ao escritório e atualmente sugere que seus funcionários escolham dois dias da semana para o trabalho presencial.

Já a Tractian, startup especializada no monitoramento de equipamentos de indústrias, quintuplicou o número de funcionários na pandemia e atingiu um total de 105, o que a obrigou a buscar um espaço maior para a equipe, mesmo que uma boa parte do grupo esteja trabalhando a distância.

Com um escritório no bairro da Vila Mariana, a empresa que tinha um espaço de 100 metros quadrados tem hoje mais de 1 mil metros quadrados. A área é necessária porque também abriga a unidade de pesquisa e desenvolvimento, diz Igor Marinelli, sócio da Tractian.

Não existe, segundo ele, obrigação para o retorno ao trabalho presencial, mas há incentivos. Um deles é um valor de R$ 1 mil para que o funcionário possa customizar sua área de trabalho.
Fonte: DC – Diário do Comércio

 

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

SIMPLES NACIONAL E O SUBLIMITE DO ICMS/ISS

SIMPLES NACIONAL E O SUBLIMITE DO ICMS/ISS O Simples Nacional é o nome abreviado do “Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte”. Trata-se de um regime tributário diferenciado, simplificado e

PODER DIRETIVO: SAIBA SUA IMPORTÂNCIA

PODER DIRETIVO: SAIBA SUA IMPORTÂNCIA Poder diretivo é o conjunto de prerrogativas asseguradas pelo ordenamento jurídico que são concentradas na figura do empregador para a direção das atividades dos empregados, no contexto da relação de emprego. Existe um fundamento legal

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Back To Top